6º dia de oração pela unidade dos cristãos

6º dia de oração pela unidade dos cristãos

img/salvato1_blog/158_post_6043.jpg

Jesus disse: “A água que eu lhe darei se tornará nele uma fonte que jorrará para a vida eterna.” (João 4,14)

O diálogo que começa com Jesus pedindo água se torna um diálogo em que Jesus promete água. Mais adiante, nesse mesmo Evangelho, Jesus vai pedir água outra vez. “Tenho sede” – diz ele na cruz - e a partir da cruz, Jesus se torna a prometida fonte de água que escorre do seu lado ferido. Recebemos essa água, essa vida que vem de Jesus, no batismo, e se torna uma água, uma vida que jorra para dentro de nós para ser oferecida e partilhada com outros.

Eis aqui o testemunho de uma mulher brasileira que bebeu dessa água e em quem essa água se tornou uma fonte:

A irmã Romi, uma enfermeira de Campo Grande, era uma pastora na tradição pentecostal. Numa noite de domingo, sozinha numa cabana, na vizinhança de Romi, uma menina indígena de dezesseis anos, chamada Semei, deu à luz um bebê, um menino. Ela foi encontrada caída no chão e sangrando. A irmã Romi a levou ao hospital. Questionamentos foram feitos: onde estava a família de Semei? A família foi encontrada mas lá não queriam saber de nada. Semei e seu bebê não tinham um lar para onde ir.  A irmã Romi os levou para a sua própria modesta casa. Ela não conhecia Semei e o preconceito em relação aos indígenas era forte em Campo Grande. Semei continuou a ter problemas de saúde, mas a  grande generosidade da irmã Romi despertou mais generosidade nos vizinhos. Uma outra mãe de parto recente, uma católica chamada Verônica, amamentou o bebê de Semei, que estava incapacitada para dar conta disso. Semei deu a seu filho o nome de Lucas Natanael e dentro de algum tempo eles puderam se mudar da cidade para uma fazenda, mas ela não esqueceu a bondade da irmã Romi e de seus vizinhos.

 

A água que Jesus dá, a água que a irmã Romi recebeu no batismo, tornou-se nela uma fonte de água e uma oferta de vida para Semei e seu filho. A partir de seu testemunho, essa mesma água batismal se tornou uma fonte na vida  dos vizinhos de Romi. A água do batismo jorrando na vida se torna um testemunho ecumênico do amor cristão em ação, uma amostra antecipada da vida eterna que Jesus promete. Gestos concretos como esse, praticados por pessoas comuns,  são o que nós precisamos para crescer em companheirismo. Eles nos dão testemunho do evangelho e da relevância das relações ecumênicas.

 

Questões

  1. Como você interpreta as palavras de Jesus quando ele diz que através dele podemos nos tornar “uma fonte de água jorrando para a vida eterna”?
  1. Onde você vê pessoas cristãs sendo fontes de água viva para você e para outros?
  1. Quais são as situações na vida pública em que as Igrejas deveriam falar a uma só voz para serem fontes de água viva?

 

Oração

 

Triuno Deus,

seguindo o exemplo de Jesus,

torna-nos testemunhas do teu amor.

Dá-nos o dom de sermos instrumentos de justiça, paz e solidariedade.

Que o teu Espírito nos leve a ações concretas que conduzem à unidade.

Que as paredes sejam transformadas em pontes.

Assim te pedimos em nome de Jesus Cristo na unidade do Espírito Santo.

Amém.

 

Fonte: Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e Comissão Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas.