Artigo

A migração data do início da hominização. Os primeiros humanos se nomadizaram. Iam à cata de frutos selvagens e de caça. Esgotavam-se esses recursos, caminhavam então para frente. Assim viveram milhões de anos. Por volta dos anos 8000 a.C., acontece a revolução agrícola. O nômade se fixa no cultivo da terra e na domesticação de animais para o trabalho. Tal fato provoca o sedentarismo com moradia estável em aldeias.

Daí para frente a migração e a estabilidade disputam as pessoas. Sempre houve aventureiros que se lançaram a navegar pelos oceanos e a caminhar pelas terras. A sociedade rural, porém, manteve certa estabilidade. Vivia-se onde se trabalhava. As grandes movimentações aconteciam em momentos de catástrofes.

A revolução industrial desequilibrou a balança. Demandava mão de obra e começava a formar aglomerados urbanos. Esses atraiam cada vez mais os camponeses que migraram massivamente para as cidades. Até hoje o fenômeno continua. No Brasil, as metrópoles incham-se desordenadamente com o êxodo rural.

Somam vários fatores. As pessoas fogem da vida dura e penosa do campo. Não têm as comodidades que a vitrine urbana ostenta. Nas cidades, o trabalho, o melhor salário, as cores e luzes do consumismo e do prazer, as  chances culturais, a experiência de liberdade seduzem altamente. E as migrações aumentam.

O sistema capitalista industrial deslocou pessoas do campo, mas, de certa maneira, fixou-as na cidade. O êxodo se fazia contínuo do espaço rural para o urbano. A transformação do capitalismo por obra da eletrônica, informática, alta tecnologia está a produzir outro desequilíbrio. As massas urbanas caem no desemprego. E elas começam a mover-se das regiões, cidades, países e até continentes pobres para outros lugares que acenam para futuro melhor. Os habitantes de países ricos refugam trabalhos braçais, de baixo salário e sujos. Então contratam estrangeiros de países pobres para executá-los. De novo, voltam as migrações já de outra natureza.

Mais: o capitalismo neoliberal aumenta a brecha entre os Mundos Primeiro e Terceiro. Então gera imensas massas de miseráveis que se deslocam à busca de sobrevivência que não encontram onde moram. A Europa e a América do Norte surgem como a meca de tantos famintos. Mas elas cerram as fronteiras reforçando o policiamento contra os migrantes. Imensa tragédia humana que tende a crescer. O sistema econômico comete, ao mesmo tempo, dois crimes. Aumenta o número das vítimas e cerra-lhes as portas de saída.

Soma-se a essa monstruosidade social o nefando tráfico humano sexual que alimenta a vida perversa de grandes centros urbanos tanto nacionais como estrangeiros. Acenam a presas carentes o dinheiro fácil do comércio sexual. E a ética naufraga por todos os lados.

Por: João Batista Libânio

Veja também
(23/01/2015) -